Archive for maio, 2013

Representantes Comerciais

3

Como vocês sabem, pois já postei bastante aqui, estou com uma casa em construção. Como um bom pão duro e inventor do método PIP de Pesquisa Intensiva de Preços, estou sempre pesquisando absurdamente o preço das coisas antes de comprar.

Representante Comercial

Quando você atinge um grau elevado de pesquisas de preço, você começa a conseguir comprar direto das empresas que produzem os produtos. Normalmente estas empresas vendem seus produtos através dos chamados representantes comerciais. Estes profissionais (alguma vezes não muito profissionais) podem ser contratados da própria empresa, e desta forma empregados e representantes exclusivos da mesma, ou o que acredito ser o mais frequente, eles são profissionais autônomos que apenas vendem os produtos daquela empresa e não raro vendem de várias outras também.

 

É difícil comprar destes profissionais, mesmo você tendo uma empresa e CNPJ como é meu caso, pois existe uma certa ética de que eles não devem vender diretamente para consumidores finais para não fuder com as lojas do varejo como Leroy Merlin e Telha Norte que tentam fuder a gente com lucros absurdos. Mas algumas empresas possuem uma representação para construtoras e tendo uma empresa e uma obra de verdade, algumas vezes você consegue comprar destes caras.

Representante Comercial

Pois bem, além de dar a dica de comprar com representantes da empresa, este post é mais para alertá-los dos perigos desta prática! Um grau acima da evolução nas compras com representantes é comprar de representantes fora da sua região. Pois além deles representarem a empresa, eles são setorizados, eles representam a empresa apenas em uma região designada. Acontece, que como disse, é difícil conseguir comprar deles, alguns simplesmente não te atendem ou não querem te vender, então comecei a tentar comprar de representantes de outras regiões mais distantes.

 

Aí que vem um dos perigos, além dos que já existem para qualquer representante, a distância! Aconteceu de eu conseguir comprar de um cara de uma cidade do norte de Minas Gerais, quase na Bahia. No começo foi mil maravilhas, ele respondia os emails instantaneamente, me atendia pelo telefone e até me ligava, mas tudo mudou após o pagamento, que estranhamente ele pediu que fosse feito na conta da empresa dele. Depois disso ele não respondia mais meus emails, só ligações, depois parou de responder as ligações. Fiquei cortando prego de ter caído em um golpe e o cara nem ser representante da empresa e ter me fodido em mais de 2,5k!

 

Liguei para empresa e consegui confirmar que ele realmente trabalhava para eles, menos mal… Entretanto ele foi me respondendo cada vez menos, quando conseguia uma reposta ele sempre falava que os produtos iriam chegar no dia seguinte e isso se estendeu por mais de um mês, e eu nem podia ir na casa do vagabundo dar uma prensa nele porque ele estava a mais de 400 km de distância. Eu procurei o máximo de informação que pude dele, da empresa e dos gerentes, consegui isso com a internet e contatos com outros representantes da empresa. Então consegui ligar para o gerente dele em SP (outra facada foram as ligações). O gerente parece ser uma pessoa bem correta e está tratando do caso. Ainda não recebi os produtos e já tive que ligar pro gerente várias vezes porque o cara chegou a desligar o celular para não me atender, estou esperando os pisos para semana que vem, espero que cheguem mesmo, depois de mais de um mês de angústia e medo de levar um golpe desses.

sales-guy

Vou compilar as lições aprendidas com essa experiência:

1. Verifique antes de comprar se o representante está mesmo cadastrado e trabalha para aquela empresa

2. Evite comprar de representantes fora da sua região, isso complica muito as coisas em caso de problemas e você vai gastar uma fortuna com ligações DDD (entretanto, esse é o grau 2 de compras com representantes, para prós)

3. Nunca deposite o dinheiro na conta do cara, peça a conta da empresa ou boleto (o gerente disse que depositar na conta dele não era política da empresa)

4. Peça detalhes bem específicos que só um representante saberia sobre o produtos, forma de entrega, preços, fabricação, estoque, etc. Isso é uma forma de testar o cara

5. Pegue todos os documentos que você puder: boleto, comprovante de depósito, pedido, nota fiscal. Se ele se negar a passar algum, suspeite!

6. Consiga todos os dados do cara que você puder, como telefones (fixo é melhor que celular), endereço, nome completo, CPF, CNPJ da empresa de representações dele, nome dos filhos, do cachorro, facebook, linkedin, qualquer coisa serve para mostrar que você não é um idiota e sabe da vida do cara caso ele faça algo com você, ele vai preferir dar o golpe em um mais bobo.

 

Se os pisos chegarem, posto aqui… :-S

 

Atualização: Os pisos chegaram! Faltando 8 caixas, mas foi erro da empresa e vão mandar o restante, ufaaa…

Viagem Pão Dura: Santo Antônio do Rio Abaixo – MG

2

camping trip hot chicks girl

 

Carro revisado, malas prontas e um item essencial para economizar dinheiro: barraca! Tá, se você é um pão duro, gosta de viajar, mas não gosta de acampar vai ser difícil você conseguir uma grande economia com suas viagens, pelo menos na parte da hospedagem. Ainda sim é possível se hospedar de forma barata sem acampar, como vou mostrar nesta viagem mesmo, mas normalmente barraca ou dormir no carro mesmo são as formas mais baratas de hospedagem, sendo que a barraca ganha disparado no conforto em relação ao carro, mas tem o inconveniente da raça favelada barraqueira sem educação que normalmente frequenta os campings.

Você consegue comprar barracas razoáveis como a minha em supermercados como o Extra por R$ 60,00. Ela diz ser para 4 pessoas, mas abriga confortavelmente com bagagem 2 ou no máximo 3 pessoas. Elas não são feitas para aguentar muita chuva, mas já usei ela umas 10 vezes e numa delas choveu bastante quando não estava nela, quando voltei ela estava cheia de água, mas como o colchão era de ar e as malas estavam no carro nada se molhou.

Mapa do caminho

Mapa do caminho

O roteiro da viagem consistia em passar a noite em Santa Maria de Itabira, que era a última cidade antes da estrada de terra, pois não queria passar nessa estrada de noite. Em Santo Antônio ficaríamos em um camping grátis, o que é raro, normalmente os camping cobram algo em torno de R$ 30,00 o feriado por pessoa, podendo variar bastante esse valor.

Chegamos a Santa Maria já de noite, e comecei a fazer a coisa que mais faço em viagens, olhar preço de hospedagem (quando são longas isso empata com olhar preço de combustível). A cidade tinha uns 2 hotéis, mas era uns R$ 50,00 por pessoa e eu não queria pagar isso de jeito nenhum. Então fiz o que sempre me salvou nessas viagens, falar com os nativos! Tá ai uma super dica para economizar: conversar. Para dar um boost nessa dica, você pode conversar com alguém que você está pagando, como assim? Explico, em algumas cidades as pessoas são receptivas por natureza e vão te dar dicas e conselhos de graça, em outras (São Tomé das Letras é um exemplo) as pessoas são mais fechadas e ariscas com os turistas e você tem que arrumar um meio de soltar mais a língua delas, esse meio é o que move o mundo: grana!

Janela do quarto em Santa Maria de Itabira

Janela do quarto em Santa Maria de Itabira

 

Conversando com a menina da lanchonete abaixo de um dos hotéis, ela indicou uma “pousada” que na verdade era a casa de dois velhinhos, alertando que a casa era um pouco desarrumada e antiga. Fomos ao local, realmente a casa podia ser mais bem cuidada, mas quando o velhinho falou o preço tive até que confirmar se era por pessoa ou o casal, foi R$ 25 pra nós dois, ¼ do preço do hotel!

De manhã partimos para Santo Antônio do Rio Abaixo, chegamos lá na hora do almoço e fomos direto para o camping grátis. Estava chovendo, tinha uns 3 carros de som ligados no local, uma farofada danada, até pra minha pão duragem estava achando uma furada ficar ali, mas por garantia armamos a barraca para segurar um lugar pois não parava de chegar gente e fomos ver outros possibilidades na cidade. Existiam 2 hotéis um que ficaria uns R$ 500 todo o carnaval e não tinha mais vagas, outro que era uns R$ 300 e tinha um quarto e nada mais, nem pousadas nem nada (a cidade é um ovo de codorna).

 

 O camping em Santo Antônio do Rio Abaixo

O camping em Santo Antônio do Rio Abaixo

 

Como estava chovendo, pensei que muita gente deve ter desistido de viajar e achei que poderiam ter casas para alugar ainda e resolvi perguntar isso para uma menina de uma barraquinha que compramos algo para comer. Foi batata, ela falou que tinham umas 3 casas que seriam alugadas e o povo desistiu de ir, pedi para ela mostrar onde eram. Chegando a uma delas, a senhora dona da casa mandou a gente subir, expliquei que gostaria de alugar um quarto e ela prontamente falou que a gente podia ficar em um, nem precisava pagar nada! Todos os dias ela insistia para almoçarmos com ela, fez salgado, lanche, café da manhã e no fim tive que insistir muito pra ela receber R$ 50 pelos 3 dias que ficamos! O feriado foi uma merda por causa da chuva e porque descobri que chegava gente de todas as cidades próximas pros shows na cidade que eram famosos (e eu fugindo de gente), mas o custo foi uma maravilha!

Além de tudo, até hoje temos contato com o pessoal de lá e ainda penso em voltar fora do carnaval e da chuva, ficando na casa dela, é claro! Então aí fica a dica dessa viagem: procurar casas de nativos para ficar, baratas, muitas vezes com comida, companhia e guias turísticos grátis!

Fui…

Go to Top